loader
banner

Os jovens são agora mais propensos a sofrer de uma perturbação mental comum (TMC) do que qualquer outro grupo etário – uma inversão completa em comparação com há duas décadas, quando eram menos propensos a isso. E as consequências económicas são maiores para aqueles cuja saúde mental deficiente é acompanhada de maus resultados educativos, sendo que um em cada três jovens não licenciados com TMC está atualmente sem trabalho, de acordo com novos dados. Fundação de Resolução pesquisar.

Nós apenas começamos– o relatório final de um programa de investigação de três anos financiado pela Health Foundation – explora a relação entre a saúde mental dos jovens e os resultados do trabalho, e como os decisores políticos devem responder.

O relatório observa que, em 2021-2022, mais de um em cada três (34 por cento) jovens com idades entre 18 e 24 anos relataram sintomas de condições como depressão, ansiedade ou transtorno bipolar – acima de um em cada quatro (24 por cento) em 2000. Como resultado, mais de meio milhão de jovens entre 18 e 24 anos receberam prescrição de antidepressivos em 2021-22.

Em resposta aos desafios destacados pelo relatório da Fundação Resolução, Para, o fornecedor de espaços de trabalho flexíveis premium está ampliando uma oportunidade para a comunidade empresarial. Ao conceder um determinado número de passes diários gratuitos no Dia Bissexto, Fora visa fornecer aos profissionais acesso a espaços de trabalho selecionados de primeira linha. Esta iniciativa foi concebida para garantir que os indivíduos aproveitem ao máximo o seu dia de trabalho adicional num ambiente especificamente concebido para inspirar e elevar a produtividade.

Você pode se inscrever através do linkaqui.

O aumento dos problemas de saúde mental entre os jovens não é apenas uma crise de saúde; está também a limitar as suas opções económicas. O relatório conclui que, entre 2018 e 2022, um em cada cinco (21 por cento) jovens entre os 18 e os 24 anos de idade com problemas de saúde mental estavam sem trabalho, em comparação com 13 por cento daqueles sem problemas de saúde mental. O número de jovens sem trabalho devido a problemas de saúde mais do que duplicou na última década, passando de 93 mil para 190 mil. As pessoas com cerca de 20 anos têm agora maior probabilidade de serem economicamente inactivas devido a problemas de saúde do que as pessoas com 40 anos.

A Fundação observa que o foco nos problemas dos jovens centra-se frequentemente nas universidades, onde a percentagem de estudantes a tempo inteiro com DMC aumentou 37 por cento na última década. Mas as consequências económicas de uma saúde mental precária são muito mais graves para aqueles que não frequentam a universidade.

O relatório conclui que um em cada três jovens não licenciados com TMC estava sem trabalho, em comparação com 17 por cento dos licenciados com problemas de saúde mental.

No geral, o relatório conclui que um número chocante de quatro em cada cinco (79 por cento) jovens entre os 18 e os 24 anos que estão desempregados devido a problemas de saúde só têm qualificações de nível GCSE ou inferior, em comparação com um terço (34 por cento). cento) de todas as pessoas nessa faixa etária.

A Fundação afirma que, com a educação a desempenhar um papel tão importante na determinação do impacto económico da má saúde mental dos jovens, é aqui que a acção política, para além daquela centrada na melhoria directa da saúde do país, deve ser direccionada.

Em primeiro lugar, o relatório apela à disponibilização de maior apoio à saúde mental para aqueles que frequentam o ensino obrigatório, especialmente os universitários e o sexto ano. No ano passado, menos de metade (44 por cento) das crianças e jovens nas escolas secundárias ou em ambientes com mais de 16 anos tiveram acesso a Equipas de Apoio à Saúde Mental, sendo este número especialmente baixo (31 por cento) para estudantes em ambientes com mais de 16 anos, como faculdades.

Em segundo lugar, dado que as qualificações proporcionam uma protecção tão significativa contra o impacto económico dos TMC, é necessário fazer mais para garantir que menos pessoas abandonem a escolaridade obrigatória com níveis de qualificação muito baixos. A prioridade deve ser os alunos que precisam refazer as qualificações de nível GCSE. As taxas atuais de sucesso no repasse são lamentáveis ​​– no ano passado, apenas um quarto dos que reprovaram o GCSE em inglês e um em cada seis dos que reprovaram em matemática do GCSE foram aprovados.

Por último, a Fundação afirma que os empregadores devem aprender com o sucesso da abordagem aos problemas músculo-esqueléticos nas décadas de 1990 e 2000, com um novo foco na saúde mental em sectores onde os jovens com TMC, que relatam que a sensibilização do seu gestor faz uma enorme diferença, estão concentrado. Com um terço dos jovens trabalhadores dos sectores retalhista e hoteleiro a reportar actualmente problemas de saúde mental, melhores práticas de gestão e formação em saúde mental para os empregadores nestes sectores devem ser uma prioridade no futuro.

Imagem: Fora

A postagem Os jovens devem ser o foco principal dos esforços de saúde mental (e a sua oportunidade de utilizar um espaço de trabalho flexível e gratuito por um dia) apareceu primeiro em Visão do local de trabalho.

https://workplaceinsight.net/os jovens devem ser o foco principal dos esforços de saúde mental/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=os jovens devem ser o foco principal -de-esforços-de-saúde-mental
Autor: Neil Franklin

A Uniorka oferece uma ampla gama de cursos de graduação, pós-graduação e técnicos, todas na modalidade a distância. Com foco em flexibilidade e acessibilidade, aliada a Faspec se destaca por facilitar o acesso à educação de qualidade para estudantes de todo o Brasil, oferecendo cursos em áreas como química, eletrotécnica, mecânica, segurança do trabalho, pedagogia, e muitos outros. Para mais informações sobre os cursos e inscrições, visite https://www.uniorka.com.br

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *